FICHA TÉCNICA DO RECURSO

AÇÕES PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE CAMPINAS DO PIAUÍ
Por ser uma doença crônica, com elevada prevalência a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) acaba necessitando de um tratamento ininterrupto e mudanças no estilo de vida, que dificilmente são adotadas, tornando ainda mais complexo seu controle. Quando o hipertenso apresenta complicações graves é necessário o apoio de uma equipe capacitada com multiprofissionais para atender seus anseios e duvidas sobre a doença e como conviver com ela de forma saudável, como cuidados médicos, nutricionais, psicológicos, e orientação quanto á prática de exercício físico, antes mesmo de manifestar complicações como diabetes, obesidade, dislipidemias entre outras doenças integradas. A intervenção se faz necessária quando vários dos pacientes que apresenta HAS possui também outra doença que decorreu da Hipertensão Arterial, com o objetivo de conscientizar os pacientes a respeito de como se portar perante a doença, esta sendo propostas ações que os auxiliem a lidar com a doença, como a pratica de caminhadas, divulgações de informações sobre essa enfermidade, educação nutricional com cultivo de uma horta comunitária. Espera-se encontrar um aumento sobre os fatores de risco da HAS e que cada paciente compreenda como viver com essa patologia de forma saudável, sem apresentar mais complicações para assim ter uma melhor qualidade de vida.

  • DOENÇAS (C )
  • Doenças Cardiovasculares (C14 )
  • Doenças Vasculares (C14.907 )

  • TÉCNICAS E EQUIPAMENTOS ANALÍTICOS, DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS (E )
  • Técnicas de Pesquisa (E05 )
  • Métodos Epidemiológicos (E05.318 )
  • Estatística como Assunto (E05.318.740 )
  • Probabilidade (E05.318.740.600 )
  • Risco (E05.318.740.600.800 )
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N )
  • Qualidade, Acesso e Avaliação da Assistência à Saúde (N05 )
  • Qualidade da Assistência à Saúde (N05.715 )
  • Fatores Epidemiológicos (N05.715.350 )
  • Causalidade (N05.715.350.200 )
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N )
  • Qualidade, Acesso e Avaliação da Assistência à Saúde (N05 )
  • Qualidade da Assistência à Saúde (N05.715 )
  • Mecanismos de Avaliação da Assistência à Saúde (N05.715.360 )
  • Estatística como Assunto (N05.715.360.750 )
  • Probabilidade (N05.715.360.750.625 )
  • Risco (N05.715.360.750.625.700 )
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N )
  • Meio Ambiente e Saúde Pública (N06 )
  • Saúde Pública (N06.850 )
  • Fatores Epidemiológicos (N06.850.490 )
  • Causalidade (N06.850.490.625 )
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N )
  • Meio Ambiente e Saúde Pública (N06 )
  • Saúde Pública (N06.850 )
  • Métodos Epidemiológicos (N06.850.520 )
  • Estatística como Assunto (N06.850.520.830 )
  • Probabilidade (N06.850.520.830.600 )
  • Risco (N06.850.520.830.600.800 )
  • SAÚDE PÚBLICA (SP )
  • Saúde Ambiental (SP4 )
  • Fenômenos Biológicos (SP4.102 )
  • Fenômenos Ecológicos e Ambientais (SP4.102.072 )
  • Ecotoxicologia (SP4.102.072.092 )
  • Poluição Ambiental (SP4.102.072.092.693 )
  • Riscos Ambientais (SP4.102.072.092.693.334 )
  • SAÚDE PÚBLICA (SP )
  • Epidemiologia e Bioestatística (SP5 )
  • Epidemiologia (SP5.001 )
  • Medidas de Associação, Exposição, Risco ou Desfecho (SP5.001.037 )
  • SAÚDE PÚBLICA (SP )
  • Desastres (SP8 )
  • Risco (SP8.473 )
  • Medição de Risco (SP8.473.327 )
https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/13748
12/Aug/2019