FICHA TÉCNICA DO RECURSO

PROMOVENDO ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA INTRADOMICILIAR JUNTO AOS ADOLESCENTES DA UBSF 08, MUNICÍPIO ESTRUTURAL, BRASÍLIA- DF
Introdução: Para as agendas mundiais do século XXI, um dos problemas mais importantes é sem dúvida a violência. O Banco Mundial e a Organização Pan-americana da Saúde (OPS), falam que apresentará caráter de Pandemia. O abuso de crianças e adolescentes é um fenômeno que não conhece fronteiras, raças ou classes sociais. Cerca de 20% das crianças e adolescentes submetidas a abuso físico sofre danos permanentes e morrem a cada ano por essa causa. No Brasil, 2003, os acidentes e as violências constituíram-se a terceira causa de óbitos no quadro da mortalidade geral no estado de São Paulo. Nas idades de 5 a 19 anos constituíram-se na primeira causa de óbitos ocorridos por todas as causas nessas faixas etárias. Ou seja, a gravidade desse problema atinge toda a infância e adolescência, e as lesões e traumas físicos, sexuais e emocionais que sofrem, embora nem sempre sejam fatais, deixam sequelas em seus corpos e mentes por toda a vida. Em Brasília/DF, na faixa etária de 10 a 14 anos cerca dos 72% dos óbitos são derivados de causas externas; já na faixa de 15 a 19 anos, tal porcentual sobe para 81%. Objetivo: Promover estratégias de enfrentamento da violência intrafamiliar junto aos adolescentes que utilizam os serviços da UBSF 08 entre o período de fevereiro a agosto de 2014 da cidade Estrutural, Brasília – DF. Método: Trate-se de um estudo de intervenção educacional que foi realizado para modificar o conhecimento sobre violência intrafamiliar em adolescentes com idade entre 15 e 19 anos. O universo de estudo foram 97 adolescentes cadastrados na UBSF. A amostra foi selecionada através do método aleatório simples (30 adolescentes). A investigação foi dividida em três etapas: Fase diagnóstica, Fase de intervenção, Fase de avaliação. Resultados: Foi conseguido modificar positivamente alguns dos conhecimentos de violência intrafamiliar e promover estratégias de enfrentamento em 97% dos adolescentes que participaram das aulas.
https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/3439
26/Jun/2016