FICHA TÉCNICA DO RECURSO

IMPLEMENTAÇÃO DA ABORDAGEM SINDRÔMICA DE CORRIMENTO VAGINAL EM GESTANTES DO MUNICÍPIO DE MANSIDÃO
Com o intuito de aprimorar o diagnóstico e o tratamento precoce dos principais agentes etiológicos das Doenças Sexualmente Transmissíveis ainda sem requerer de resultados de exames laboratoriais, o Ministério da Saúde no Brasil recomenda a abordagem sindrômica para o correto manejo dos portadores. O desenho do estudo foi transversal e objetivou a implementação desta estratégia nas 69 gestantes com queixa de corrimento vaginal no âmbito das três Unidades Básicas de Saúde do Município de Mansidão, Estado Bahia, no período de maio a agosto de 2014. Os dados se processaram para determinar os valores percentuais com ajuda do Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 18.0. Ditos resultados revelaram que as gestantes atendidas são majoritariamente residentes de zona rural (78,2 %), adultas jovens entre 20 e 29 anos de idade (55 %), com nível Secundário (44,9%), lavradoras (71%) e com união estável (44,9%). Verificou-se a adequada cobertura de recursos humanos e suficientes recursos materiais para garantir a atenção nas unidades da síndrome apresentada pela gestante por meio do fluxograma de conduta de corrimento vaginal sem microscopia adotado no país. Observou-se prevalência de 47,8% com candidíase vulvovaginal, 17,3% com vaginose bacteriana e 11,5% com tricomoníase vaginal. A associação destas infecções foi diagnosticada em 15,9% das mulheres; a cervicite em 33,3% e em 7,2% dos casos o conteúdo vaginal foi considerado fisiológico. Se avaliou a eficácia da abordagem sindrómica através da exaustiva revisão das fichas de pré-natal, além da satisfação manifestada pelos profissionais e gestantes pela assistência prestada e recebida respectivamente, relacionadas com o manejo sindrómico. A análise permitiu evidenciar o impacto deste modelo de intervenção o qual se considerou efetivo ao obter após de sua aplicação a cura clínica em 56,5% dos casos de vaginite e no tratamento da cervicites excedeu 50%. Contudo, se constatou, falta de treinamento dos profissionais em abordagem sindrómica. Recomendamos a realização de uma intervenção capacitam-te para todos os profissionais de saúde dos serviços primários envolvidos nesta tarefa.
https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/4210
05/Oct/2016

  • ANTROPOLOGIA, EDUCAÇÃO, SOCIOLOGIA E FENÔMENOS SOCIAIS (I)
  • Educação (I02)
  • Educação não Profissionalizante (I02.233)
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N)
  • Instituições de Saúde, Recursos Humanos e Serviços (N02)
  • Serviços de Saúde (N02.421)
  • Serviços Preventivos de Saúde (N02.421.726)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Atenção à Saúde (SP2)
  • Promoção da Saúde (SP2.021)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Desastres (SP8)
  • Administração de Desastres (SP8.946)
  • Educação em Desastres (SP8.946.234)

  • DOENÇAS (C)
  • Infecções (C01)
  • Doenças Transmissíveis (C01.221)
  • DOENÇAS (C)
  • Infecções (C01)
  • DOENÇAS (C)
  • Doenças Urogenitais Masculinas (C12)
  • Doenças dos Genitais Masculinos (C12.294)
  • DOENÇAS (C)
  • Doenças Urogenitais Femininas e Complicações na Gravidez (C13)
  • Doenças Urogenitais Femininas (C13.351)
  • Doenças dos Genitais Femininos (C13.351.500)
  • DOENÇAS (C)
  • Condições Patológicas, Sinais e Sintomas (C23)
  • Processos Patológicos (C23.550)
  • Atributos de Doença (C23.550.291)
  • Doenças Transmissíveis (C23.550.291.531)