FICHA TÉCNICA DO RECURSO

Planejamento familiar no Brasil
O objeto começa lembrando que a atuação dos profissionais de saúde, no que se refere ao planejamento familiar, deve estar pautada em princípios de cidadania e que a assistência deve contemplar o conjunto de ações de atenção à mulher, ao homem ou ao casal, dentro de uma visão de atendimento integral à saúde. Relembra fatores importantes que devem fazer parte do cotidiano do médico e de toda a Equipe de Saúde da Família. Ressalta que há uma progressiva redução da taxa de fecundidade total no Brasil, um dos fatores principais implicados nas mudanças do perfil demográfico da população brasileira, trazendo dados sobre o assunto. Mostra que em 12 de janeiro de 1996 foi promulgada a Lei do Planejamento Familiar nº 9.263, apresentando características da legislação, abordando também o Artigo 3° e o Artigo 226. Termina enfocando que as ações de planejamento familiar inseridas na atenção básica, e sob a responsabilidade dos municípios, foram definidas na Norma Operacional da Assistência (NOAS-SUS), em 2001, sendo uma das sete áreas prioritárias de intervenção na atenção básica, e apresenta uma animação sobre importantes fatos políticos históricos e atuais sobre planejamento familiar. Unidade 4 do módulo 6 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.
https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/785
08/Oct/2013
2011

  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N)
  • Características da População (N01)
  • Saúde (N01.400)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Atenção à Saúde (SP2)
  • Saúde de Grupos Específicos (SP2.006)

  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Políticas, Planejamento e Administração em Saúde (SP1)
  • Políticas Públicas de Saúde (SP1.001)
  • Sistemas de Saúde (SP1.001.012)
  • Sistemas Nacionais de Saúde (SP1.001.012.010)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Direito Sanitário (SP9)
  • Seguridade Social (SP9.160)


  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Atenção à Saúde (SP2)
  • Saúde de Grupos Específicos (SP2.006)
  • Saúde Sexual e Reprodutiva (SP2.006.087)
  • Saúde Reprodutiva (SP2.006.087.087)