FICHA TÉCNICA DO RECURSO

Relato de experiência: Métodos de captação de pacientes hipertensos na PMF Vila Ipiranga
A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é um dos principais fatores de risco para as doenças cardiovasculares, tendo uma importante relação com a ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC) e doença coronariana. Os avanços no conhecimento sobre a HAS permitem conceituá-la como uma doença sistêmica, fazendo-se acompanhar de alterações na função endotelial, na elasticidade arterial, na estrutura da parede arterial e no miocárdio. O Ministério da Saúde (Brasil, 2006) indica que a atenção básica desenvolva atividades de promoção, prevenção, diagnóstico precoce e tratamento adequado da HAS. Recomenda que a equipe de saúde reúna os saberes de todos os profissionais envolvidos (médico, enfermeiro, auxiliar de enfermagem e agente de saúde, NASF: nutricionista, psicólogos, professores de educação física), bem como conduza rotinas e procedimentos que ordenem as ações de saúde da equipe, em particular dos serviços organizados segundo a Estratégia de Saúde da Família. A magnitude da Hipertensão Arterial, associado ao seu crescimento exponencial, obriga a Saúde Pública a ter um olhar diferenciado para essa patologia. Além disso, sua característica, em várias ocasiões, assintomática pode acarretar em um diagnóstico tardio e associado a suas complicações, comprometedoras da qualidade de vida do paciente. Portanto é primordial que se faça rastreamento da hipertensão arterial, buscando diagnóstico e intervenção precoce, minimizando assim os efeitos que podem ocorrer em decorrência da falta de controle da pressão arterial.
https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/7977
22/Feb/2017
  • Atenção Primária à Saúde