FICHA TÉCNICA DO RECURSO

Proposta de intervenção educativa sobre fatores de risco de hipertensão arterial sistêmica na ESF Paraíso
Em análise realizada pela equipe de saúde do número de pacientes cadastrados na área de saúde Paraíso I no Paraisópolis chamou atenção a baixa prevalência de hipertensão arterial sistêmica (HAS) com 15.14%. Em comparação com estudos realizados no Brasil que mostram que de 22 a 43% da população adoece de HAS percebe-se quanto isso poderia dificultar o adequado acompanhamento e prevenção das complicações da doença. OBJETIVO: Elaborar um Projeto de Intervenção (PI) sobre HAS para diminuir a incidência na população da área abrangência do Paraíso do Programa de Saúde da Família de Paraisópolis/MG.MÉTODO: Trata-se de um Projeto de intervenção desenvolvido no ESF (Estratégia da Saúde da Família) Paraíso do município de Paraisópolis MG. O mesmo teve como questão norteadora: "Os pacientes conhecem a Hipertensão Arterial e os fatores de risco da mesma". O período do estudo foi de agosto de 2014 à março de 2015 pelos profissionais que atuam na ESF. Para o desenvolvimento do PI foi feito um plano de ação que incluiu visita domiciliar, entrevistas individuais e campanhas de controle da pressão arterial (PA), palestras e atividades esportivas numa população de 3593 indivíduos. RESULTADOS: O projeto possibilitou conhecer a prevalência de hipertensos da área, ampliou o conhecimento dos pacientes inerente ao processo de se adoecer e conviver com HAS e que os erros no preenchimento de dados na ficha A (Ficha de acompanhamento do hipertenso e/ou diabético) e de Hiperdia, o que provoca prejuízos ao controle desta doença. CONCLUSÕES: O PI teve resultados satisfatórios permitindo a elaboração do diagnóstico situacional, a identificação do problema principal e a construção do plano de ação etapas fundamentais no processo de planejamento
https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/8536
07/Apr/2017

  • DOENÇAS (C)
  • Doenças Cardiovasculares (C14)
  • Doenças Vasculares (C14.907)

  • TÉCNICAS E EQUIPAMENTOS ANALÍTICOS, DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS (E)
  • Técnicas de Pesquisa (E05)
  • Métodos Epidemiológicos (E05.318)
  • Estatística como Assunto (E05.318.740)
  • Probabilidade (E05.318.740.600)
  • Risco (E05.318.740.600.800)
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N)
  • Qualidade, Acesso e Avaliação da Assistência à Saúde (N05)
  • Qualidade da Assistência à Saúde (N05.715)
  • Fatores Epidemiológicos (N05.715.350)
  • Causalidade (N05.715.350.200)
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N)
  • Qualidade, Acesso e Avaliação da Assistência à Saúde (N05)
  • Qualidade da Assistência à Saúde (N05.715)
  • Mecanismos de Avaliação da Assistência à Saúde (N05.715.360)
  • Estatística como Assunto (N05.715.360.750)
  • Probabilidade (N05.715.360.750.625)
  • Risco (N05.715.360.750.625.700)
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N)
  • Meio Ambiente e Saúde Pública (N06)
  • Saúde Pública (N06.850)
  • Fatores Epidemiológicos (N06.850.490)
  • Causalidade (N06.850.490.625)
  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N)
  • Meio Ambiente e Saúde Pública (N06)
  • Saúde Pública (N06.850)
  • Métodos Epidemiológicos (N06.850.520)
  • Estatística como Assunto (N06.850.520.830)
  • Probabilidade (N06.850.520.830.600)
  • Risco (N06.850.520.830.600.800)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Saúde Ambiental (SP4)
  • Fenômenos Biológicos (SP4.102)
  • Fenômenos Ecológicos e Ambientais (SP4.102.072)
  • Ecotoxicologia (SP4.102.072.092)
  • Poluição Ambiental (SP4.102.072.092.693)
  • Riscos Ambientais (SP4.102.072.092.693.334)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Epidemiologia e Bioestatística (SP5)
  • Epidemiologia (SP5.001)
  • Medidas de Associação, Exposição, Risco ou Desfecho (SP5.001.037)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Desastres (SP8)
  • Risco (SP8.473)
  • Medição de Risco (SP8.473.327)