FICHA TÉCNICA DO RECURSO

Fatores que influenciam na baixa adesão ao tratamento da hipertensão arterial dos usuários da Unidade Básica de Saúde do Triângulo
A Hipertensão Arterial Sistêmica é a mais frequente das doenças cardiovasculares. Também é considerado o principal fator de risco para as complicações mais comuns como acidente vascular cerebral e infarto agudo do miocárdio, além da doença renal crônica terminal. O controle desse problema, que é considerado de saúde pública, deve ser feito de forma contínua, visando assim à prevenção de alterações irreversíveis no organismo relacionadas à morbimortalidade cardiovascular. A não adesão a terapêutica medicamentosa por parte dos hipertensos é uma das principais causas das baixas taxas de controle da hipertensão. Este trabalho teve como objetivo identificar os motivos para a baixa adesão do paciente ao tratamento da hipertensão arterial na Unidade Básica de Saúde Triângulo, na cidade de Candeias, Minas Gerais e descrever as possíveis influências que puderam interferir a adesão desses pacientes ao tratamento. Foram analisados 305 usuários da unidade, tendo como base o registro que a equipe de Saúde da Família realiza em visitas domiciliares e nas consultas agendadas. Foi realizada uma revisão bibliográfica com busca nas bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde, na Biblioteca Virtual em Saúde, nos manuais publicados pelo Ministério da Saúde entre esses os Cadernos de Atenção Básica à Saúde. Foram selecionados artigos diretamente relacionados ao tema. Os dados indicam que a maioria dos pacientes hipertensos acompanhados a Unidade Básica de Saúde Triângulo do município de Candeias tem entre 40 e 60 anos, sendo a maioria do sexo masculino. Apesar das tentativas por parte da equipe de saúde para assistir hipertenso e assim direcioná-lo para o tratamento, nota-se que a baixa escolaridade, sedentarismo e falta de conhecimento em relação aos riscos resultantes do acompanhamento ineficiente da pressão arterial, pode ser um fator de risco de vida destes usuários. Nesse contexto, verificou-se a importante da busca de integração entre o profissional de saúde, os agentes comunitários de saúde e as famílias, por meio de ações educativas de conscientização mais impactantes e ainda a importância de visitas domiciliares mais frequentes aos lares dos hipertensos para a realização de medidas mais eficazes, como a aferição da pressão arterial mais frequente e da promoção de cuidados mais efetivos no combate aos problemas de hipertensão.
https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/8892
06/Jun/2017
  • Hipertensão
  • Estratégia Saúde da Família
  • Adesão à Medicação