FICHA TÉCNICA DO RECURSO

Alterações no climatério
Este objeto inicia destacando que o climatério não é uma doença, e sim uma fase natural da vida da mulher. Lembra que além dos fatores fisiológicos, interferem os fatores socioculturais, psicológicos, ambientais e extrínsecos, e que o enfermeiro deve estar atento a possíveis alterações, para que possa intervir adequadamente no sentido de minimizar seus efeitos. Mostra as alterações de curto prazo no climatério e as queixas mais frequentes. Destaca que o fogacho ou “onda de calor” é um dos sintomas mais comuns e pode acontecer em qualquer fase, trazendo características sobre o tema. Lembra que normalmente ocorrem algumas mudanças no ciclo menstrual e nos ovários na mulher que está no climatério, que são alterações de transição. Ressalta que as mulheres podem apresentar diminuição acelerada da massa óssea após a última menstruação e que uma das queixas mais frequentes é a lombalgia. Enfatiza que se medidas preventivas forem adotadas, a incidência de osteoporose pode cair dramaticamente. Termina enfocando que a atividade regular sexual não se altera e a resposta sexual permanece íntegra, mas devido às alterações neuro-endócrinas e circulatórias relacionadas, o padrão de resposta é mais lento e menos intenso, mas nem por isso menos prazerosa ou satisfatória. Unidade 7 do módulo 6 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.
https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/783
08/Oct/2013
2011

  • ASSISTÊNCIA À SAÚDE (N)
  • Características da População (N01)
  • Saúde (N01.400)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Atenção à Saúde (SP2)
  • Saúde de Grupos Específicos (SP2.006)

  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Políticas, Planejamento e Administração em Saúde (SP1)
  • Políticas Públicas de Saúde (SP1.001)
  • Sistemas de Saúde (SP1.001.012)
  • Sistemas Nacionais de Saúde (SP1.001.012.010)
  • SAÚDE PÚBLICA (SP)
  • Direito Sanitário (SP9)
  • Seguridade Social (SP9.160)